Vereadores questionam proibição de moradores de Ananindeua no Pronto Socorro do Guamá

Na sessão ordinária da última quarta (7), o vereador Dr. Ronaldo Sefer (PR) trouxe para a tribuna uma temática de saúde pública. Ele expressou sua indignação ao saber, por meio de uma entrevista, que o Pronto Socorro do Guamá, em Belém, não está atendendo pacientes que moram em Ananindeua, a menos que cheguem com encaminhamentos. A decisão seria da Secretaria Municipal de Saúde da capital (Sesma).
Para o parlamentar, não pode ocorrer esse tipo de distinção entre pacientes. “Além disso, Ananindeua paga a Belém pelos serviços, na pactuação entre os municípios relativos a urgência e emergência e alta complexidade”, argumentou. “Ananindeua está pagando por algo que estão proibindo”.
Erick Monteiro (PSDB) se somou a Sefer na crítica. “Com essa decisão, Belém não está fechando as portas apenas para Ananindeua, e sim para o Pará. E o que Belém recebe dos outros municípios pelos serviços é muito mais do que eles atendem. O SUS é um sistema único, ninguém pode negar atendimento por conta do local onde mora”, argumentou.
Neto Vicente (PDT), que é presidente da Comissão de Saúde da casa, sugeriu que a Sesma seja questionada quanto à decisão. “Proponho uma reunião na próxima semana para formularmos um documento e cobrar o secretário de Saúde de Belém sobre o assunto”, finalizou.

Data da Matéria: 26/07/2018 00:16